Ad Home

Casarões serão sedes de projetos sociais e entidades da sociedade civil







Vinte casarões administrados pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac) no Centro Histórico de Salvador mudarão de ocupação até o final deste ano, anunciou, nesta segunda-feira, 30, a recém-empossada titular da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (Secult-BA), Arany Santana.
Projetos sociais e organizações da sociedade civil assumirão os espaços, segundo o Ipac, criando o que vem sendo chamado de Distrito Criativo do Pelourinho, área que inclui as ruas Saldanha da Gama e 28 de Setembro, e tentará influenciar economicamente na região. As mudanças, no entanto, incluem outras ruas do Pelourinho (leia mais abaixo).
Nessa área, o principal edifício, destacou o diretor-geral do Ipac, João Carlos Oliveira, por meio de nota publicada no site do instituto, é o Solar Mirante do Saldanha, que até então abriga a sede da própria autarquia estadual.
Agora, entretanto, a edificação histórica de cinco andares, datada do século XVIII e tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), passará a abrigar o Casarão da Diversidade.
O espaço, próximo ao Viaduto da Sé e parte do Distrito Criativo do Pelourinho, unirá, pela primeira vez, entidades que promovem políticas de combate ao tráfico de pessoas, apoio a adolescentes e defesa do público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros).
“Estamos construindo a ideia desde o ano passado, e, para dar certo, o distrito deve ser um projeto de governo que incluirá várias instâncias e parceiros”, explicou João Carlos, em nota do Ipac. Ele revelou ainda que a diretoria geral do órgão, que ocupa atualmente o prédio, será realocada para o antigo prédio dos Correios e outros imóveis próximos à Igreja de São Francisco.
Beneficiados
Além do Solar, o Ipac dispõe de 180 imóveis no interior do estado e na capital. No Centro Histórico, esse número chega a mais de 60.
Sobrado de três andares, o número 1 do Terreiro de Jesus será ocupado pela Orkestra Rumpilezz e pelo projeto Rumpilezzinho. Já a Central Única das Favelas (Cufa) ocupa um imóvel na rua Gregório de Mattos.
Também será beneficiada, com um edifício no número 8 da rua João de Deus, a Associação Awá de Ações Afirmativas e a Organização Filhos do Mundo.
O Ipac não divulgou todas as novas ocupantes dos imóveis, prazos para a ocupação ser feita nem termos da cessão das edificações.
Yuri Silva
Fonte: Jornal A Tarde.
Tecnologia do Blogger.