Ad Home

“Um absurdo da militância do PT”, critica presidente da Assembleia Legislativa sobre “ovada” em Dória

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Ângelo Coronel (PSD), fez críticas ao que chamou de “falta de educação” e “ato desabonador para a Bahia” a agressão ao prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB) – atingido por ovo durante manifestação em frente à Câmara de Salvador. Para ele, a ação foi “um absurdo da militância do PT“.
“Eu me livrei do ovo. O presidente da Câmara, Léo Prates, queria que eu fosse na sessão de noite. Pedi ao 1° secretário da Assembleia pra me representar e ele me ligou de lá dizendo: ‘Coronel, eu virei um omelete'”, disse, de forma divertida. Ao comentar seriamente o episódio, o presidente do Legislativo sugeriu que a imagem da Bahia foi atingida pelo fato que ganhou repercussão internacional.
“Eu acho uma falta de educação grande. Todo brasileiro tem direito de escolher por quem torce. Eu achei aquilo um absurdo da militância do PT fazer aquele papelão na Câmara de Vereadores”, declarou, de forma contundente. “Infelizmente, eu quero pedir desculpas ao povo brasileiro e ao povo baiano que não comungou com esse ato de ontem, porque realmente foi um ato desabonador para nosso estado da Bahia”.
Ao lado da esposa, Eleusa Margarida Martins, Coronel foi mais além e criticou o governador Rui Costa, a quem disse que teve “uma atitude infeliz”. “O governador fez uma nota dizendo que discordava do título de cidadão a João Dória. Automaticamente, eu fiz uma nota dizendo que não via nada demais no título, que, inclusive, foi aprovado por unanimidade na Câmara, com voto dos vereadores do PT. Se o próprio PT apoiou o título de cidadão, como esse pessoal vai pra rua querer jogar ovo em João Dória?”, questionou. “Acho que o governador foi infeliz na declaração ao dizer que Dória não merecia o título.”
O governador Rui Costa e o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Jaques Wagner, negaram participação do PT nas manifestações que resultaram em “ovada” em João Dória.
As afirmações foram feitas no programa Reunião de Pauta especial, transmitido, ao vivo e com exclusividade, pelas redes sociais do Aratu Online, direto do gabinete do presidente da Assembleia.
Ângelo Coronel está há 180 dias no cargo, depois de uma eleição que interrompeu 10 anos consecutivos de mandatos do antecessor Marcelo Nilo (PSL). Para ganhar a disputa, a articulação contou com o apoio do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM) e do vice Bruno Reis (PMDB), embora Coronel seja ligado ao senador Otto Alencar (PSD), aliado de Rui Costa.
Para 2018, o presidente do Legislativo cobra que Otto lance candidatura ao governo. Ele sustenta a opinião baseado no fato do crescimento do partido na Bahia. “Por que Otto Alencar? O partido tem 83 prefeituras na Bahia, nós temos 556 vereadores, sete deputados estaduais, cinco deputados federais, um senador da República. PSD é o maior partido do estado, não pode ser só coadjuvante“, aposta Coronel.
Ele também aproveitou a entrevista para divulgar o projeto Assembleia de Carinho, uma iniciativa inovadora em poderes legislativos do Brasil, em que ações sociais e filantrópicas são lideradas pela primeira dama.

Tecnologia do Blogger.