Ad Home

Estudantes fazem manifestação na reitoria da UFBA em Salvador

Cerca de 200 estudantes se reúnem na tarde desta quinta-feira.
Eles reivindicam melhorias para a universidade.
Estudantes fazem manifestação na reitoria da UFBA em Salvador (Foto: Ida Sandes/ G1)Cerca de 200 estudantes do curso de direito protestam na tarde desta quinta-feira (22) na reitoria da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador. Segundo integrantes do movimento, a ação foi votada pela maior parte dos 285 estudantes que participaram de assembleia geral extraordinária ocorrida na noite de segunda-feira (19).Os principais itens reivindicados são os problemas estruturais do prédio, a ineficácia na realização dos serviços como cantina e fotocópia; a revitalização do acervo e estrutura da biblioteca; transparência nas contas públicas; falta de controle nas atividades dos docentes; proibição do 'trote'. Os itens constam em carta pública divulgada logo após a reunião dos graduandos.Estudantes fazem manifestação na reitoria da UFBA em Salvador (Foto: Ida Sandes/ G1)"Nós não temos tido resposta do diretor muito menos da reitoria. Por isso que viemos aqui hoje entregar uma carta pública com as nossas reivindicações à reitora. A gente quer uma resposta, a gente quer transparëncia nas contas públicas, principalmente. A gente vê que entra dinheiro mas não vê que modifica alguma coisa", diz Karol Freitas, estudante.
Os estudantes estão sem assistir às aulas desde terça-feira (20) e voltam a se reunir na noite desta quinta-feira em assembleia às 20h30. Em seguida, eles fazem um 'apitaço' pela faculdade, além de darem um abraço simbólico, demonstrando apego à instituição, conforme explica Karol Freitas. Uma faxina simbólica encerra as manifestações desta quinta.
Os estudantes tentaram incluir as reivindicações na pauta da reunião do Conselho Universitário, que conta com a presença da reitora, de pró-reitores e diretores de unidades, realizada nesta quinta-feira.A reitora da universidade Dora Leal Rosa recebeu a carta com os pedidos dos alunos. "Os estudantes reivindicam corretamente. Há muitas questões a serem enfrentadas, mas é preciso dizer que a reitoria está trabalhando nessa direção. Não é falta de vontade política nem falta de competëncia técnica, é um conjunto de circunstâncias que levam o processo administrativo a não caminhar na velocidade que nós desejamos".A reitora também admitiu que a infraestrutura da universidade não é adequada para a ampliação de vagas feita na última seleção. "A parte mais penosa para nós é a questão das obras porque independe da universidade. Nós contratamos empresas e elas muitas vezes não conseguem dar conta das responsabilidades que assumiram com a universidade. Nós estamos também com um grande problema que é o pessoal técnico-administrativo. A universidade não cresceu o seu quadro técnico, mas isso independe da minha vontade, os cargos são colocados pelo Governo Federal. Nós não temos infraestrutura de pessoal para atender os cursos noturnos", diz.O diretor da faculdade de direito, Celso Castro, também considera as reivindicações adequadas. "O movimento é sim legitimo porque nós temos um retardo muito grande, nós demandamos por verbas que não chegam, demandamos por licitações que não vêm, demandamos por funcionários que não são contratados, então a luta dos estudantes é uma luta justa. Por mais que eles se refiram ao diretor, na verdade o diretor é um mero elo de ligação. As verbas é que precisam vir. A luta dos estudantes ajuda o movimento", declara.
Fonte: G1BA



Tecnologia do Blogger.